Cinema Brasileiro – A história do cinema nacional

0
519
Central do Brasil

Quando o cinema chegou no Brasil? Quando o Brasil estreou nas telonas? Quando começou a produção do cinema brasileiro? Veja aqui curiosidades e informações em cronologia. Conheça um pouco mais da história do cinema nacional. Confira, no final do post, nossa checklist de filmes nacionais.

        

A primeira exibição de cinema no Brasil

O Brasil viu sua primeira exibição cinematográfica em julho de 1896, no Rio de Janeiro. Isso aconteceu graças a um exibidor de filmes itinerante: o belga Henri Paillie. Seus filmes retratavam cenas do cotidiano em cidades da Europa. Mas, como é comum no Brasil até hoje, essa estreia foi extremamente elitista: os ingressos eram caros demais.

           

Os primeiros filmes brasileiros

Segretto e o início do cinema brasileiro
Affonso Segretto e seus primeiros projetores

Já os primeiros filmes verdadeiramente brasileiros foram rodados dois anos depois, em 1898. Um imigrante italiano, chamado Affonso Segretto, trouxe a invenção dos irmãos Lumière – o cinematógrafo – para o Brasil. Chegando de navio, filmou Uma Vista da Baía Guanabara em 19 de junho de 1898.

Esta data ainda hoje é considerada o Dia do Cinema Brasileiro. O engraçado é que não existe certeza de que o filme tenha sido exibido nesse dia – não se sabe nem se o filme chegou a existir de fato.

           

 

O mercado de exibição de filmes no Brasil

Entre 1907 e 1910 tanto o Rio de Janeiro quanto São Paulo melhoram seu fornecimento de energia elétrica. Com isso, o mercado de exibição de cinema no país conseguiu se estruturar. Em 1908 já haviam 20 salas de cinema no Rio de Janeiro, boa parte delas com suas próprias equipes de filmagem.

Assim, cresceu um grande mercado de entretenimento em torno das grandes cidades. Centenas de pequenos filmes eram produzidos e exibidos para plateias urbanas que cada vez mais demandavam lazer e diversão.

Fimdotexto

           

O cinema falado e a influência de Hollywood

Nos anos 1930 inicia-se a era do cinema falado. Os primeiros filmes brasileiros sonoros de sucesso são a comédia Acabaram-se os otários (1929), de Luiz de Barros, e o musical cantado Coisas nossas (1931), de Wallace Downey.

Cinema brasileiro
Cartaz de Acabaram-se os Otários

Nessa época, com a Europa enfraquecida após a Primeira Guerra Mundial, os EUA passam a dominar o mercado cinematográfico em escala global. Tendo o forte esquema de distribuição norte-americano como concorrente, os filmes brasileiros começaram ter dificuldades de exibição. Assim, há uma grande queda na produção.

Ainda nesse contexto, surgem revistas sobre cinema que começam a divulgar os grandes mitos e estrelas de Hollywood. Acordos comerciais isentam filmes norte-americanos de pagar taxas para entrar no Brasil – e essa disputa se mantém até os dias de hoje.

Saiba mais sobre o cinema mundial da época e Hollywood em nossa História do Cinema Mundial.

           

Estúdio Vera Cruz e o Cinema Novo

No final dos anos 1940, surge o estúdio Vera Cruz. Ele nasce do desejo de diretores que, influenciados pela forte produção estrangeira, procuravam fazer um cinema mais sofisticado.

Como reação ao cinema do Vera Cruz, surge um movimento que divulga o cinema nacional para o mundo: o Cinema Novo. Esse movimento vem no início da década de 1960, quando um grupo de jovens cineastas começa a realizar uma série de filmes nacionais de forte temática social.

Vidas Secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos, é um grande expoente do Cinema Novo. Um marco da época é também O Pagador de Promessas (1962), de Anselmo Duarte. O filme foi indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro e, também ganhou a Palma de Ouro em Cannes – único filme a conseguir a prestigiada premiação.           

Filme importantíssimo do Cinema Novo
Cena do filme “O Pagador de Promessas”

Época de ouro do cinema brasileiro

As pornochanchadas foram um sucesso absoluto do cinema brasileiro
As pornochanchadas

Mesmo com o golpe de 1964 e o início da ditadura militar, as décadas seguintes foram a época de ouro do cinema no Brasil. Os protagonistas do Cinema Novo continuam a realizar obras criticando as questões da época.

Como reforço, uma nova geração de cineastas surge com o movimento udigrúdi (ironia referente ao underground norte-americano). E, ao mesmo tempo, o público reencontra-se com o cinema graças ao grande sucesso das comédias conhecidas como pornochanchadas.

           

Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Uma polêmica na história do cinema brasileiro
Xuxa no controverso filme “Amor Estranho Amor”

Com a boa fase do cinema brasileiro e o surgimento do Cinema Novo, foi criado o Festival de Brasília no ano de 1965. Oficialmente, chama-se Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. A premiação surgiu pela iniciativa de um professor de cinema da UNB (Universidade de Brasília) chamado Paulo Emílio Sales Gomes.

Desde então, com exceção de alguns anos durante a ditadura militar pela forte repressão e censura, o festival é promovido pelo governo brasileiro de forma anual. A grande diferença e originalidade desse festival é que todos os seus filmes, tanto longas quanto curta-metragens, são inéditos. Preferencialmente, também não foram premiados em outros festivais de cinema nacional.

Uma curiosidade: um dos dos filmes premiados no Festival de Brasília é o que ficou posteriormente conhecido como “o filme pornô da Xuxa”. O filme, chamado Amor Estranho Amor, levou dois prêmios de Melhor Atriz, graças à atuação de Vera Fischer.

           

O cinema na era Geisel: Embrafilme e Concine

Embrafilme
Embrafilme, essencial para o cinema brasileiro da época
Dona flor e seus dois maridos
Dona Flor e seus dois maridos, o segundo filme mais popular do cinema brasileiro

Com o intuito de controlar e organizar o mercado de filmes e aumentar o número de adeptos ao regime, o governo Geisel cria, em 1974, a estatal Embrafilme. É nessa época, das décadas de 1970 e 1980, que foram feitos alguns dos maiores sucessos de público da produção nacional. Entre eles, Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976), de Bruno Barreto, o segundo filme brasileiro de maior bilheteria, e Pixote, a Lei do Mais Fraco (1980), de Hector Babenco.

É nessa época também, ainda no governo Geisel, que é criado o Concine (Conselho Nacional de Cinema), órgão gestor do cinema brasileiro. Criado em 1979 e extinto em 1990, o Concine servia como uma substituição aos conselhos deliberativos e consultivos do Instituto Nacional de Cinema, extinto em 1975. Tinha como objetivo prestar assessoria ao Ministério da Educação e Cultura na formulação de políticas para o cinema brasileiro e, principalmente, normatizar e fiscalizar as atividades audiovisuais do país.

           

O Cinema brasileiro após a ditadura – a era Collor

O fim do regime militar, em 1985, supostamente traria uma maior liberdade de expressão para os cineastas, também abrindo portas para novos caminhos para o cinema brasileiro. Porém, com o fim da Embrafilme em 1990 e as políticas neoliberais da era Collor, o mercado cinematográfico brasileiro é aberto de forma não controlada aos filmes estrangeiros, principalmente estadunidenses. Com isso, a produção nacional despenca: os filmes brasileiros não são mais produzidos e exibidos nos anos posteriores.

           

A retomada do cinema nacional – A década de 1990

Mais um filme nacional prestigiado e indicado ao Oscar
O que é isso, Companheiro?

A partir dos anos 1990, o país gradualmente se reergue e fala-se em uma retomada do cinema brasileiro. São criados novos mecanismos de financiamento para a produção audiovisual por meio de renúncia fiscal, além de instâncias governamentais de apoio ao cinema, como a Secretaria para o Desenvolvimento do Audiovisual (criada em 1992 pelo governo de Itamar Franco).

Central do Brasil, orgulho do cinema nacional
Uma das cenas mais famosas de “Central do Brasil”

 Essas medidas ajudaram na reorganização da produção nacional, proporcionando instrumentos para o país competir, ainda que em diferente escala, com as grandes produções estadunidenses. Em pouco tempo, três filmes brasileiros são indicados ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro: O Quatrilho (1995), O Que é Isso, Companheiro? (1997) e Central do Brasil (1998). Central do Brasil foi também indicado ao Oscar de Melhor Atriz, para Fernanda Montenegro, e além de vencer o Urso de Ouro do Festival de Berlim.

        

O cinema brasileiro no século XXI – Pós-retomada

A partir do ano de 2003, fala-se numa “pós-retomada” do cinema brasileiro. Em 2010, Tropa de Elite 2 bate o recorde de maior bilheteria de filmes brasileiros (listas dos filmes de maior bilheteria e público podem ser consultadas pela Wikipedia). O cinema brasileiro bateu seu recorde de produção, em 2013, com mais de 127 longa-metragens chegando às telonas. Esses números marcam o melhor ano da indústria audiovisual nacional desde o início dos anos 1980.

O salto visto nesse ano ilustra bem a consolidação, firme e forte, da indústria cinematográfica nacional. A arrecadação também teve um crescimento bastante significativo, chegando a superar o valor de 270 milhões de reais – perto do triplo do valor arrecadado no ano anterior (2012), quando a arrecadação foi de 157 milhões de reais.

Prêmios brasileiros de cinema

Atualmente há muitas premiações e festivais de cinema nacional. Alguns deles são: Grande Prêmio do Cinema Brasileiro (a principal premiação do cinema nacional), Festival de Gramado, Mostra de Cinema de Tiradentes, Festival do Audiovisual, MixBrasil, Festival Paulínia de Cinema, Festival do Rio, e muitos outros.

        

O cinema nacional ganha reconhecimento

Hoje em dia, o cinema brasileiro ganha cada vez maior destaque no cinema mundial, enfim ganhando mais espaço entre os filmes estrangeiros. Há filmes brasileiros concorrendo em grandes festivais de cinema internacional. Como exemplos temos Aquarius (2016), de Kleber Mendonça Filho, sucesso entre a crítica mundial. E também o filme Praia do Futuro (2014), de Karim Aïnouz, muito lembrado pela atuação de Wagner Moura, que interpreta um personagem que tem relações sexuais com outro homem. O filme foi indicado ao Urso de Ouro do Festival de Cinema Internacional de Berlim. Vale lembrar que Tropa de Elite (2007), de José Padilha, foi vencedor do mesmo prêmiado.

           

Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
Aquarius (2016) foi aclamadíssimo pela crítica nacional e internacional        

Os principais filmes nacionais – Uma checklist

Hoje, após uma rica história, o cinema brasileiro conta com um enorme e excelente conjunto de obras. É impossível escolher o melhor filme brasileiro já feito; mas a lista de melhores filmes brasileiros de todos os tempos é extensa, variada e interessantíssima.

Pesquisando em sites especializados em cinema você pode encontrar listas com filmes dos mais diversos gêneros, alguns mais frequentemente destacados. Listamos a seguir alguns dos principais filmes do cinema brasileiro para você conferir. Você já viu todos? 

    • Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Glauber Rocha

    • O Pagador de Promessas (1962), de Anselmo Duarte

    • Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles

    • Central do Brasil (1998), de Walter Salles

    • Matou a Família e foi ao Cinema (1969), de Júlio Bressane

  • Carlota Joaquina, Princesa do Brasil (1995), de Carla Camurati

    • Bye, Bye Brasil (1979), de Carlos Diegues 

    • O Som ao Redor (2012), de Kleber Mendonça Filho

      

Mantenha-se atualizado sobre o cinema nacional

E atualmente, quais as novidades sobre o cinema brasileiro? Quais os melhores filmes em cartaz? Para acompanhar o cinema brasileiro é muito bom ficar ligado nos festivais de cinema independente, nos festivais de curtas e nas salas de exibição em que passam os filmes alternativos.

Na cidade de São Paulo, por exemplo, ótimos cinemas para se frequentar são o Caixa Belas Artes e o Reserva Cultural, na região da Paulista; e no campus da USP – Butantã (Universidade de São Paulo), o CINUSP (Cinema da USP). Confira ótimas mostras no CINUSP, com diversas temáticas, abrangendo filmes nacionais e também estrangeiros.

Não deixe de ler nosso Guia de Cinema Uppermag para saber ainda mais sobre a sétima arte.

Vale a pena também seguir e acompanhar blogs e sites de novidades e críticas de cinema; assim, você fica sabendo das novidades do cinema nacional, além de se informar a respeito de clássicos da nossa história cinematográfica – sempre aprendendo um pouco mais sobre cinema.

GIF BAG

Deixe uma resposta